quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O Muro do Schumacher

O Schumacher encostou o Barrichello ao muro para defender, não a vitória na Hungria, não o segundo lugar, nem o terceiro. O heptacampeão do mundo - idolatrado por muitos, símbolo de uma carreira desportiva não isenta de acções controversas e perigosas contra os seus adversários - defendia ... a décima (10ª) posição na corrida ... para ganhar.... UM  (1) ponto !!!!! Ele que está em nono (9º) na classificação do Campeonato a séculos do oitavo.
Por um mísero ponto, um piloto que devia ser o exemplo para os mais novos, o "mais velho" (como tratam, respeitosamente, os africanos aqueles que já têm idade para ter juizo), o "mais velho", do alto das suas sete coroas, atira o seu antigo companheiro de equipa contra o parede e, candidamente, horas mais tarde, aceita que a atitude foi "um pouco dura demais". Pouco? Ele ia matando o Barrichello que roçou com os pneus do lado direito no muro. Depois, à noite, no seu blog, vem pedir desculpa.
Os comissários desportivos, vá lá saber-se porquê, SÓ o penalizaram em recuar 10 lugares na próxima grelha de partida em Spa. Se a manobra tivesse sido feita por alguém menos "nobre" - tipo Petrov, Alguersuari, Glock, Kobayashi (e até mesmo Weber) - o castigo teria sido bem mais pesado.
Quem vem dizer que Schumi não errou só está a defender, de certeza, interesses que nós desconhecemos.
Lembram-se em que lugar terminou o Schumacher na Hungria? Em 11º. Lembram-se a que distância do Barrichello? A 20 segundos.
Valerá a pena colocar a vida de um adversário em risco por ... um mero ponto no Campeonato?

1 comentário:

  1. É muito triste ver reaparecer o instinto de cavaleiro medieval...

    ResponderEliminar